quarta-feira, 11 de abril de 2012

as sociedades formativas da região de Santarém

.
A Revista de Antropologia, publicação do Departamento de Antropologia Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade de São Paulo, publica, no Volume 54, número 1, janeiro-junho 2011, artigo da Dra. Denise Maria Cavalcante Gomes, professora da Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA, "Cronologia e conexões culturais na Amazônia: as sociedades formativas da região de Santarém – PA", cujo resumo reproduzimos abaixo.
.
"Este artigo discute as sociedades formativas da região de Santarém – PA por meio da análise de sua cultura material, apontando a existência de comunidades ceramistas culturalmente distintas, que se desenvolveram nesta área desde 3800 a.P. até a emergência das chefias complexas por volta de 1000 a.D. Os dados sugerem a sucessão de diferentes grupos no tempo e no espaço, os quais provavelmente contribuíram na constituição de agrupamentos multiétnicos tardios ocorridos nesta e em outras áreas da Amazônia, conforme tem sido sugerido por outros pesquisadores. Conexões culturais com a área do Rio Trombetas, Amazônia Central e Alto Xingu também foram evidenciadas."
.
Para quem quiser ler o artigo na íntegra esta edição da Revista pode ser acessada através do link específico no menu "Visite".
.

domingo, 18 de outubro de 2009

ação pelo retorno dos artefatos de cerâmica tapajônica

.
Internacionalmente tem havido acordos de devolução de peças de arte aos museus dos países de origem, peças essas compradas no mercado negro, roubadas, saqueadas em conflitos armados ou mesmo retiradas em pesquisas arqueológicas.

Vamos organizar um movimento pelo retorno das peças que estão no MAE-USP para Santarém, para serem expostas no Centro Cultural João Fona.

Um movimento amplo, englobando a Secretaria Municipal de Cultura de Santarém, a Associação Empresarial e Comercial, a UFPA, a UEPA, a FIT, o IESPES, a ULBRA, a UFRA, a mídia em todas suas formas, os artistas, os educadores, os estudantes, o Deputado Carlos Martins, a Assembléia Legislativa do Estado do Pará, os deputados federais e os senadores do Estado do Pará, e o próprio Governo do Estado do Pará, que acaba de sancionar a lei nº 7.313/2009, que declara como Patrimônio Cultural e Artístico do Estado a Cerâmica Tapajônica de Santarém.

Alguém mais apóia essa idéia?
.

o Centro Cultural João Fona

centro cultural João Fona Santarém cerâmica tapajonica

o Centro Cultural João Fona, de Santarém PA, foi inaugurado há 140 anos, já foi Intendência Municipal, presídio, Prefeitura e Fórum de Justiça.

.........................fachada, de frente para o Rio Tapajós

.......................
............................vistas do interior, a antiga Sala do Júri

Fotos: N. Wisnik, 2007
.

Patrimônio Cultural do Pará

.
É lei!

Em 16 de outubro de 2009 o DOE (Diário Oficial do Estado) do Pará publicou a sanção pela Governadora Ana Júlia Carepa, da Lei de nº 7.313/2009, que declara como Patrimônio Cultural e Artístico do Estado a Cerâmica Tapajônica de Santarém, projeto do deputado estadual Carlos Martins (PT).

.

a Cerâmica Tapajônica

.
por Nelson Wisnik
em http://www.jesocarneiro.com/



A cultura de um povo, um contexto complexo de crenças, comportamentos sociais, valores, manifestações artísticas, em Santarém materializada nas músicas do maestro Isoca, na culinária de Márcia Melo, nas evoluções dos botos Tucuxi e Cor de Rosa, no Festival Borari, tem reconhecimento também, agora oficialmente, através das cuias pintadas e nos artefatos da cerâmica tapajônica, obras de artistas anônimos, porém não menos valiosas, sedimentando e fortalecendo a identidade do povo desta região. Parabéns!

A cerâmica tapajônica, da região dos entrerios Tapajós-Madeira e Tapajós-Xingu, centrada em Santarém e atingindo também a bacia hidrográfica do rio Trombetas, é muito elaborada, complexa, com utensílios domésticos, cerimoniais, ornamentais, espirituais e funerários.

A cerâmica Tapajônia, datada criteriosamente, é a mais antiga das Américas, cerca de 3.000 anos mais antiga que a cerâmica Marajoara, embora esta seja mais conhecida.

A foto apresenta um vaso cerimonial aberto sustentado por figuras antropomórficas, que acabou por ser conhecido como vaso de cariátides, nome que não endosso. Cariátides são as figuras em formas humanas femininas que sustentam algumas construções da antiga Grécia.

Este vaso se encontra no Centro Cultural João Fona, em Santarém, uma das poucas peças restantes na região, pois a quase totalidade delas foi levada para fora do país.

No Brasil, algumas peças podem ser vistas no MAE – Museu de Atropologia e Etnologia da Universidade de São Paulo.

Minha contrariedade com relação à designação de vaso de “cariátides” se deve a dois aspectos: primeiro, que esses vasos são mais antigos que as próprias cariátides gregas; segundo, por se tratar de um artefato cultural da Amazônia que deve ser designado por nome que o identifique como tal. Pergunto aos estudiosos, como eram chamados esses vasos por quem os produziu? Se não tivermos essa informação, como poderia ser designado na sua língua?

Foto: N. Wisnik, 2008

.